Garoto cria conta fake no Twitter e movimenta boatos no futebol inglês

Por Ygor Salles

Este post serve como um recado para quem acredita em qualquer coisa que é postada nas redes sociais.

Eu, particularmente, gosto de contas fakes. São muito mais divertidas que as originais. E, de vez em quando, podem falar algumas verdades no meio das brincadeiras.

Mas essa dinâmica não deveria valer quando estamos falando de jornalismo propriamente dito, certo?

A história do estudante britânico Sam Gardiner, 16, é uma boa amostra que como é possível sair enganando todo mundo quando se mexe com um tema quente e se tem um bom plano de trabalho.

Gardiner, um torcedor apaixonado do Arsenal, queria dar vazão para as suas ideias de transferências entre os clubes do futebol inglês. E o fez com uma roupagem ‘profissional’, o que lhe rendeu fama entre os torcedores do país.

Ele criou um personagem, o jornalista Samuel Rhodes, que dizia em sua conta no Twitter ser um repórter do jornal ‘The Telegraph’. Gardiner até deixou uma ‘pista’ de que Rhodes era falso ao escrever no bio da conta: ‘Choose a job you love, and you’ll never have to work a day in your life’ (Escolha uma profissão que ama, e você nunca terá que trabalhar um dia em sua vida).

Colocou uma foto de um louro com um terno e saiu mandando suas notícias de transferências entre os clubes. E entremeava com boatos saídos em outros jornais:

Rhodes

E, assim, chegou aos 25 mil seguidores.

Mas como ele conseguiu isso sem que ninguém percebesse? Porque, no mercado de transferências do futebol, qualquer coisa postada reverbera. E, quando se trata do futebol inglês, isso ganha proporções incríveis. No último dia da janela de transferências, por exemplo, é comum jornais fazerem liveblogs para informar minuto a minuto as negociações que estão acontecendo, colocam repórteres na porta dos clubes para flagrar jogadores de outros clubes indo fazer exames médicos ou assinar contrato, etc. Enfim, um campo fértil para Gardiner e seu jornalista fake.

Já tinha quem dissesse que a conta era fake desde meados do ano passado. Torcedores do Manchester United, por exemplo, descobriram em agosto de onde Gardiner tirou a foto que usava para personificar Rhodes.

Mas a brincadeira do garoto só acabou na primeira semana de janeiro, quando a conta foi suspensa após reclamação do ‘The Telegraph’.

Hoje, o ‘Financial Times’ entrevistou Gardiner, que disse que a grande jogada que lhe deu credibilidade foi a demissão do técnico Roberto Di Matteo do Chelsea, em novembro de 2012. Após a derrota do clube para a Juventus na Liga dos Campeões, cravou que Di Matteo cairia no dia seguinte. E caiu mesmo. Um chute que deu certo.

Agora, Gardiner quer se tornar um jornalista de verdade. Começou bem. Só que não.