Gilmar e o boné

Por Ygor Salles

Se José Maria Marin se baseou na opinião pública para demitir o técnico Luiz Felipe Scolari da seleção brasileira, já pode dar bilhete azul para o recém-anunciado coordenador técnico, Gilmar Rinaldi.

Gilmar, ex-goleiro campeão do mundo em 1994 e empresário de jogadores, foi anunciado como coordenador por volta das 11h, e imediatamente chegou ao topo dos trending topics (assuntos mais comentados) do Twitter no Brasil. E a maioria absoluta critica sua contratação.

As principais críticas são para o conflito de interesses de ser empresário de jogadores e comandar a parte técnica da seleção –embora ele tenha dito que encerrou todos os contratos que tinha como empresário– e para a falta de renovação nos quadros técnicos da CBF após o vexaminoso desempenho da seleção na Copa.

Veja alguns dos comentários:

Mas um detalhe da entrevista coletiva de Gilmar recebeu especial atenção dos internautas. Ao ser questionado sobre o que mais o incomodou na seleção brasileira, o novo coordenador disse que foi… o boné que os jogadores usaram ao entrar em campo contra a Alemanha com a inscrição “Força Neymar”, em alusão ao craque que não entrou em campo por ter quebrado uma vértebra no jogo contra a Colômbia. E emendou dizendo que era “a única coisa que achei fora de sintonia”.