Sesc cria Mundial de Playlists com países da Copa

Mateus Luiz de Souza

O Brasil já é semifinalista.

Calma, o #HashtagnaCopa não está cantando vitória antes da hora.

Chegamos entre os quatro primeiros (ao lado de Inglaterra, Portugal e Uruguai) no Mundial de Playlists, organizado pelo Sesc São Paulo.

Na competição musical, cada um dos 32 países classificados para a Copa é representado por 12 músicas (11 referentes aos jogadores e uma, ao técnico).

As seleções musicais criadas pelo Sesc SP no Deezer e Spotify foram escolhidas com base no imaginário popular associado a esses países.

As seleções musicais que somarem maior volume de seguidas ou curtidas nas plataformas avançam de fase.

A competição começou no dia 11 de junho, e a finalíssima será disputada de quinta (5) a terça (10).

A semifinal da Copa do Mundo #realoficial pode ser bem parecida. Apenas Portugal não avançou para as quartas de final.

“Nosso objetivo foi transpor um torneio do mundo inteiro e fazer uma brincadeira com as plataformas digitais”, diz Ricardo Tacioli, coordenador de programação do Sesc Digital.

“Queríamos mostrar um outro ângulo sobre os países presentes na Copa do Mundo”, completa, ressaltando que a ação visou, por meio da música, mostrar a diversidade dos países presentes no Mundial da Fifa.

ESCALAÇÃO
Assim como acontece em um jogo de futebol, no Mundial de Playlist o treinador pode mudar de ideia ao longo da competição. Erasmo Carlos (faixa 1 da playlist brasileira), por exemplo, foi substituído por Péricles, com o clássico “Me apaixonei pela pessoa errada”, para fechar o gol.

No meio de campo, Alceu Valença deu lugar a Daniela Mercury. A aposta do treinador brasileiro –Tim Maia, o grande síndico da seleção canarinho– foi deixar o setor mais movimentado com “O Canto da Cidade”, hit da cantora baiana.

A Inglaterra também fez algumas mudanças para a fase final. no lugar de Dua Lipe, entrou Duran Duran com a faixa “Rio” na zaga. Além disso, o camaleão David Bowie acabou cortado, em nome de outros veteranos: a banda The Police e o sucesso “Every breath you take”.

Somente o Uruguai manteve intacta a sua escalação para os jogos finais.

Assim como Tite, o treinador brazuca do Mundial de Playlist anda com moral. “É fantástico que o técnico seja Tim Maia. O treinador, acima de tudo, precisa ser respeitado pelos jogadores. Tim Maia é adorado por todos, por sua atitude”, diz o guitarrista Andreas Kisser, do Sepultura.

“Conseguimos criar uma interação com as pessoas e artistas”, afirma Ricardo Tacioli, contando o caso da cantora Maria Rita, que expressou no Twitter seu desapontamento por ter ficado de fora da estreia brasileira e acabou convocada, dias depois, para assumir a posição 5 da playlist.

SERVIÇO
1º Mundial de Playlists (sescsp.org.br/mundialdeplaylists)

O quê: campeonato musical nos perfis do Sesc São Paulo no Deezer e no Spotify, serviços de streaming de áudio disponíveis para download gratuito em celulares, tablets e computadores

Quando: de 11/6 a 10/7

Onde: as playlists ficam disponíveis nos perfis do Sesc São Paulo no Deezer e Spotify, e reproduzidas no site sescsp.org.br/mundialdeplaylists

Como: as playlists mais “seguidas” ou “curtidas” pelo público avançam na disputa (são somadas as interações no Deezer e no Spotify), até a consagração da grande campeã.